Pular para o conteúdo principal

Sobre Nossas Crônicas

Pegue uma xícara de café, acenda um cigarro e se acomode confortavelmente que agora vou elucidar como se dará a construção de nossas crônicas cinematográficas. O objetivo do Projeto [cinescrito] é divulgar e compreender melhor a obra e a técnica aplicada a produção audiovisual e o que a cerca. Fazendo uma apreciação crítica do conteúdo, de maneira a contextualizá-lo dentro de uma realidade maior. Aqui neste site/blog/multimídia cada autor possui um estilo próprio de texto e sua respectiva linguagem, contudo, seguimos um modo de construção para que haja uma produção uniforme, organizada e disciplinada.

O primeiro passo que damos é assistir ao filme, mais de uma vez, pois na primeira sessão, avaliamos como espectador absorvendo e sendo absorvido pela obra; já na segunda assistida nos distanciamos para observar pormenores como a condução da narrativa, o desenvolvimento das personagens e a aplicação da técnica cinematográfica na produção. Esses detalhes ficam mais claros à segunda, ou, até mesmo, à terceira vista.

O segundo passo temos a construção da crônica cinematográfica. A crônica tem que ter começo, meio e fim. Obvio, mas nem tanto, tomando da linguagem cinematográfica podemos dizer que são o primeiro, segundo e terceiro ato. Para facilitar, digamos que sejam parágrafos no primeiro temos a introdução/apresentação, no segundo o desenvolvimento do conflito e no terceiro a conclusão/resolução. Uma crônica é baseada em acontecimentos comuns do cotidiano, observando um evento; apresentando notícias ou coisas particulares do autor com intenção de criticar fatos sociais, expressar sensações e refletir. Resumindo: Apresenta uma visão crítica.

Neste momento além de devermos ter o domínio da linguagem cinematográfica também temos que ter o da linguagem literária, pois nossa proposta não é apresentar apenas uma analise tecnicista, mas produzir conteúdo que dialogue com o espectador leigo ou não. Fazendo literatura.

Partimos para a escrita no terceiro passo: Organizamos as informações numa ordem lógica e clara definindo a natureza do escrito no primeiro paragrafo. Na primeira parte da crônica escolhemos o fato que chame a atenção e desperte o interesse do próprio autor e do publico. Precisamos ter conhecimento sobre este tema, e ter opiniões sobre ele, e colocá-las no texto, está é a principal característica de uma crônica. Quando começar a escrever, é importante que sempre se deixe bem clara a sua opinião relacionando o tema ao autor. Nos colocamos na situação sobre a qual estamos falando, e como nos sentimos diante disso. Basicamente introduzimos o assunto abordando um tema tratado na história, de maneira geral.

No quarto passo vamos certificar de que a tarefa seja a elaboração de uma resenha crítica, o que nos permite agora, aprofundamento. O que nos joga no segundo paragrafo, onde com cuidado para não expor apenas nossos pontos de vista, descrevemos, opinamos e desenvolvemos. Aqui trazemos nossas bagagens de outros títulos assistidos do mesmo diretor ou de outros autores que dialogam com a produção que está sendo resenhada na crônica para traçar um comparativo. Também ficamos atentos aos detalhes para enriquecer nossa própria história, por exemplo, mesmo que não se trate de uma história de época, pesquise sobre o contexto histórico e avalie se a trama é fiel àquele período. Todo trabalho artístico é realizado com um propósito, até mesmo produtos do meio industrial. Tente conhecer as intenções por trás da obra. A partir do tema escolhido explique como ele é apresentado na ficção, assim como você tem que fazer em sua própria crônica de forma dialética. Mencione o diretor ou o roteirista, aspectos de enredo, cenografia, figurino ou trilha sonora, se forem relevantes para os seus argumentos e sobre o que se trata de sua crônica.

No quinto passo temos o terceiro paragrafo da crônica, onde fazemos observações sobre o ponto de vista de outras pessoas, e se for o caso apontamos, enfim, uma solução. Sendo claro e objetivo. Aqui não é nosso papel dizer se a obra é boa ou ruim, dar uma nota ou não, cabe nós descrever quais são os elementos de destaque e os pontos positivos e negativos para que assim, o leitor tire suas próprias conclusões. O papel de nossa crônica cinematográfica travestida de resenha é expressar uma analise e como ela fala conosco e com o nosso leitor/espectador, a construir um movimento dialético. Pois um filme não acaba quando termina, a discussão continua.

Para terminar, esse tipo de texto utiliza um documento audiovisual como fonte. Portanto, durante sua narrativa deve-se referenciá-lo. Identifique nome do diretor e do roteirista, ano, tempo de duração da película e outros dados como referências bibliográficas ao fim do texto.

Quanto mais conhecermos sobre o produto resenhado, mais elementos para discussão teremos, então vamos continuar estudando e escrevendo. Sempre.
*
Quer deixar um comentário, mandar dicas ou sugestões? ENTRE EM CONTATO
Curtiu e quer ver a gente melhorar? ENTÃO ACESSE: BIT.LY/CINESCRITO-APOIE
Licença Creative Commons
 
👇Acesse GRÁTIS por 30 dias e divirta-se!👇
     

✚ CONTEÚDO QUE VOCÊ PODE GOSTAR 👇

Uma Enxurrada de Endorfina – A Trilogia d’Os Super Patos

Ilha do Medo — Três Minutos Podcast #033

  Sinopse: Neste episódio Chuck convida a psicóloga e pesquisadora  Jordana Olian  para tentar responder a questão: O que seria pior, viver como um monstro ou morrer como um homem bom?

Pro Dia Nascer Feliz — Pode se Estar Condicionado, Mas Não Determinado!

Sinopse: Neste texto sobre um dos filmes titulares na sala de vídeo de escolas do Brasil afora se aborda questões sobre jovens  acerca da educação. Deixando uma única questão não respondida: Se a escola é uma representação do mundo em pequena escala, então a história da humanidade é a história dum grande interclasse ?

Emmanuelle — Sexualidade Como Arte e Prazer (Não Como Pecado) 🔞

  Sinopse: Neste texto costuro Emmanuelle , Vladimir Lenin e arte japonesa tentando discutir a sexualidade como arte e prazer, não como pecado.

Por favor, Não Fale Brasileiro Aqui - Bacurau