Escrito na Lombada da Fita - Guerreiros da Virtude


Escrito na Lombada da Fita - Guerreiros da Virtude

Dezoito de julho de dois mil, terça-feira, poderia ser o último dia antes das ferias ou o primeiro depois, mas foi o dia da frase “O que você vai ser quando crescer, dono de locadora?”, lembro que foi exibido na noite anterior, um filme que muita gente diz ser um “clássico da Sessão da Tarde”, mas eu nunca o vi ser exibido nesse horário, a primeira vez que o vi foi na Tela Quente,  onde, antes de assisti-lo até a exaustão, o gravei em VHS logo após de escrever na lombada da fita:

 18/07/00  Guerreiros da Virtude

Nesse momento de minha vida estava com dez anos, tomava mais café que um homem de meia idade e passava muito tempo assistindo filmes, o que perdura até hoje, assisto aos filmes mais de uma vez e memorizo cada detalhe e foi nos detalhes que Guerreiros da Virtude me conquistou, logo no inicio nosso protagonista é sugado para o submundo, onde inicia a sua jornada num Alice no País das Maravilhas com muito kung fu. Por muito tempo achei que esse filme fosse australiano, por conta de seus protagonistas serem cangurus, mas eu estava errado, a terra onde os britânicos brincaram de texanos não criou esse ótimo filme infantil de pancadaria. Guerreiros da virtude é uma produção sino-americana de mil novecentos e noventa e sete, ano em que Hong Kong deixa o império britânico e volta ao “império” chinês e os americanos se esquecem de um certo caso de assédio sexual,  a direção é de Ronny Yu de O Mestre das Armas, e que já foi citado em nosso podcast piloto, o roteiro foi escrito por Michael Vickerman e Hugh Kelley, que parecem não ter feito muita coisa relevante além desta obra prima. Em Guerreiros da Virtude, Ryan, um garoto com problema na perna tenta se aproximar do futebol fazendo amizade com o capitão do time, e, por isso ele é lançado em uma jornada de autoconhecimento num mundo mágico, cheio de perigos e com cangurus lutando kung fu, é eu disse: CANGURUS LUTANDO KUNG FU, contra um vilão que parece não saber o que quer apesar de saber o que quer por debaixo de toda sua atuação exagerada de Angus Macfadyen, contudo, a história de cada um dos personagens não têm aprofundamento nem mesmo o protagonista Ryan interpretado por Mario Yedidia; E também apesar do elenco majoritariamente branco o filme é mais chinês que americano e é isso que faz ele se destacar entre tantas produções meia boca e descerebradas de hoje.

Quando cheguei à escola após a exibição do filme eu estava muito animado e pronto pra falar sobre, já naquela época eu falava demais e não dormia, por isso, quando a professora me chamou para dar visto no meu caderno, aproveitou e perguntou se eu havia acompanhado “o filme de ontem" na TV, falamos bastante sobre “o filme de ontem” e enquanto falávamos ela chamou a próxima da lista Fernanda Alguma Coisa, que após receber o visto no caderno saiu dizendo:
 O que você vai ser quando crescer, dono de locadora? Só fala de filmes!

Cartaz  por Chuck
Eu não lembro o que falei sobre Guerreiros da Virtude para minha professora e pra Fernanda, mas hoje eu posso afirmar; A película não é ruim, mas também não é boa, hoje ela vaga no limbo daqueles filmes que foram massacrados pela critica sem dó nem piedade e poucos falam a respeito, mas com certeza se assistiu se divertiu com ele. Guerreiros da Virtude não avança além de um filme genérico de aventura, mas que pra uma criança pode ser um filme surpreendente com personagens de muito carisma escondido em baixo de um design radical e descolado de cangurus guerreiros. Assim, Guerreiros da Virtude não é tão bom quanto me lembrava, mas ainda dezenove anos depois de tê-lo visto pela primeira vez, ele continua brega, bonito e bem rápido o que o ajuda a ser divertido e prender a atenção de crianças e professoras. Nitidamente essa obra foi feita com todos os envolvidos dando o melhor de si e não tratando crianças como um público burro, por exemplo, mesmo com estudos apontando que os cangurus são originários da China o filme não explica o motivo de seus heróis serem cangurus, o que, lógico, não faz a menor diferença, o que faz a diferença é que estes animais antropomórficos passam um sentimento, emoção e uma moral dentro de uma metáfora dentro de uma crisalida velha e anormalmente grande. 

Todos se espantam como eu sempre me lembro dos detalhes das coisas, acho que por eu desde pequeno escrever e também arquivar as coisas na minha cabeça, lembrei-me deste filme não por conta do VHS, que já foi apagado há muito tempo, mas por uma série de associações, lembrei-me de ter duas professoras, Sonia e Marcia, Marcia era professora de exatas e foi ela que perguntou sobre o filme, naquele tempo sentávamos em grupos de quatro alunos, mas o meu foi premiado com cinco e meus amigos eram Mariel, Joaquim, Paulo e Marcos, também havia um calendário em cima da lousa e eu passava muito tempo tentando contar qual das letras tinham mais palavras que se iniciavam com cada uma, lembrei-me dos cheiros, do Pau Brasil que plantamos naquele ano, lembrei-me de tudo de forma muita boa, como um efeito domino vivenciando vários momentos até chegar à pequena Fernanda Alguma Coisa de nove anos dizendo para o Chuck de dez anos se ele gostaria de ser dono de uma locadora, e isso além de mostrar o poder que as locadoras tinham, mostra também a inocência de uma criança; No vislumbre de um futuro da perspectiva da inocência de uma criança, ela não via uma vida adulta sem locadoras como temos hoje, e esse é o ponto deste texto, acredito que o que faça Guerreiros da Virtude ser um filme memorável é a inocência em toda a sua construção até o seu final quando apesar de tudo que nosso diabólico vilão Komodo fez, nossos protagonistas lhe estendem a mão e dão a ele o perdão dizendo que a sua casa é junto aos Guerreiros da Virtude.
*