Pular para o conteúdo principal

Toda Dor Vem do Desejo - O Som do Silêncio

O Som do Silêncio/Amazon Studios/Divulgação
Toda Dor Vem do Desejo - O Som do Silêncio

Ninguém quer sentir dor, porém  “Tudo é dor e toda dor vem do desejo de não sentirmos dor” e não, isso não é Legião Urbana, é Schopenhauer, um dos meus escritores favoritos, pois bem, ninguém quer sentir dor, mas sentimos e mesmo que tudo seja dor, ela geralmente vem envolta de uma mudança.
Mudar é fazer ou sofrer modificação, alterar(-se).
Dois mil e vinte foi um ano de mudança para todos nós, planos foram feitos, planos foram adiados e eu por exemplo também mudei de trabalho, de casa e de cidade e não foi fácil, foi bem doloroso e tudo isso foi na tentativa de não sentir dor. Enfim, falo isso pois recentemente eu assisti O Som do Silencio. No filme acompanhamos um jovem músico se adaptando a uma nova condição, ele está perdendo a audição enquanto teme pelo seu futuro, essa ótima e simples premissa é da história de Derek Cianfrance de O Lugar Onde Tudo Termina e Darius Marder de Loot, que também assina a direção do longa, aliás um filme pesado, forte e duro, mas, parafraseando o poeta, duro sem perder a sua ternura em nenhum momento!
A fita trata sobre mudança, e sobre como passar por transformações, aceitação e busca. Aqui vemos uma jornada de um homem que não é apenas homem, é dinamite, assim como disse Nietzsche, um homem a ponto de explodir a qualquer momento, e este sujeito é interpretado  de forma impecável por Riz Ahmed de O Abutre e também da ótima série  The Nigth Of. O elenco desta obra tem passagens por ótimas obras da televisão, aliás o filme é estrelado por Olivia Cooke de Jogador N°1 e também da encantadora Modern Love, temos também Lauren Ridloff de The Walking Dead e Eternos e por último e não menos importante gostaria de destacar Paul Raci um character actor veterano com uma carreira de participações em séries e filmes com atuações menores como em  Dragão - A Historia de Bruce Lee e a série Parks And Recreation, character actors geralmente são atores coadjuvantes e têm a tarefa de tornar os filmes mais interessantes ou chamativos por assim dizer, mas em O Som do Silêncio Paul rouba a cena tendo uma atuação primorosa, em seu último diálogo com o personagem de Riz, podemos sentir o desconforto de Joe, interpretado por Paul, e de como uma determinada decisão  está sendo difícil de ser tomada.
Cartaz por Chuck
E aceitar as mudanças pode ser nossa maior dificuldade ao tomar uma decisão, talvez por nos acomodarmos, ou por viciarmos na dopamina vinda junto de nossa zona de conforto, assim como apresentado no filme acabamos agindo como viciados tentando nos manter apegado a algo mesmo vendo essa jornada chegar ao fim, e o dilema do personagem de Ahmed é apresentado de forma bela com a montagem da película e o som, nós enquanto espectadores somos apresentados a surdez junto de Ruben. Hora ouvindo de fora e hora ouvindo da perspectiva dele. A musica do filme é um espetáculo,  é assinada por Abraham Marder e Nicolas Becker, Nicolas também assina a musica do filme brasileiro Casa de Antiguidades, selecionado ao Festival de Canes 2020.

E a musica é importante no filme pois ela é o grande amor do protagonista, é a ponte entre ele e sua namorada companheira  de banda, toda ação do personagem é voltada para a música, pois sem isso ele fica sem banda e sem banda ele fica sem sua parceria e sem ela, o protagonista fica sem objetivos. Em algum ponto cheguei a pensar que sua obsessão em ouvir era algo relacionado a masculinidade frágil, contudo a forma dolorosa como o sujeito é quebrado, mesmo com sutileza a película tece sua  desconstrução apresentando-o no inicio do filme como sendo forte, sendo colocado em diversos momentos sem camisa mostrando-se como quem não precisa de escudos até a história e as mudanças o levarem a colocar uma camisa e vermos toda a sua fragilidade exposta. 
A fragilidade também é reforçada no momento ao qual o protagonista é colocado numa mesa de cirurgia e sofre uma violência física, acreditando ser sua salvação, assim como alguém dirigindo um carro em alta velocidade em direção à um muro ao tentar manter o controle ele perde a direção. Direção a qual já perdeu antes, pois em alguns momentos  o  filme toca no assunto do vício vencido pelo personagem, depois de quatro anos sem tragar, ele fuma um cigarro e toma café, mas não se engane a questão não é vício e sim ciclos se iniciando e se fechando,  apego a coisas das quais devemos deixar ir.
Mudar mesmo sendo uma transformação  dolorosa.

Ao dizer que tudo é dor e toda dor vem do desejo de não sentirmos dor, Schopenhauer, acredito eu, estava colocando a felicidade como alcançável a partir e somente a partir da negação da própria vontade. A vontade de manter tudo sob controle de nossa perspectiva e sem aceitar as mudanças das quais a vida é cheia, e espero assim como no filme, aceitando ou não as mudanças, mesmo sendo homens e mulheres, dinamite ao chegarmos no nosso limite, possamos encontrar a paz, mesmo no silêncio.
*
Se ficou afim de assistir o filme acesse: O Som do Silêncio

Quer deixar um comentário, mandar dicas ou sugestões? Fale conosco: ENTRE EM CONTATO
Curtiu e quer que a gente melhore? ENTÃO ACESSE: BIT.LY/CINESCRITO-APOIE




________________________________________________________________________________________

                                                                                                                        Assine para assistir a filmes e series premiados:


Recomendados________________________________________________________________________________________

2001: Fim do Mundo, Al-Qaeda e um Trailer Banido – Homem-Aranha de Sam Raimi

Nem Mesmo os Deuses Vivem Para Sempre - Cruella

Três Minutos Podcast #027 - Mortal Kombat (1995)

Três Minutos Podcast #028 - Wood & Stock: Sexo, Orégano e Rock'n'Roll

Uma Enxurrada de Endorfina – A Trilogia d’Os Super Patos