Pular para o conteúdo principal

Cinema e Cultura - Aspectos Socioculturais do Cinema Japonês! ⛩️

 

Está no ar a oficina Cinema e Cultura - Aspectos Socioculturais do Cinema Japonês que irá ocorrer no primeiro semestre de 2024 no Centro de Línguas e Desenvolvimento de Professores (CLDP) em Assis-SP; Vamos dissecar alguns filmes do Studio Ghibli e muito mais!

Túmulo dos Vagalumes/Memorias de Ontem/Studio Ghibli/Divulgação
Venha compartilhar experiências, adquirir conhecimento e viver momentos únicos nas oficinas de Japonês!
Serão 3 opções gratuitas com vagas limitadas para você se inscrever, elas ocorrerão de forma PRESENCIAL na UNESP, Campus de Assis.
A seguir dou mais informações sobre minha oficina e o formulário para inscrição!
Título oficina:  Cinema e Cultura:  Aspectos Socioculturais do Cinema Japonês /
✚ Instrutores: Chuck e Moisés dos Santos Barbosa
Inscrições: 26/04 a 05/05/2024 ou até se encerrarem as vagas /
Período aulas: Matutino /
Modalidade: Presencial /
Carga horária: 10 horas /
Valor: Gratuito /
Vagas: 20 (vinte) /
Dias das aulas: 11/05/2024 - 18/05/2024 - 25/05/2024 - 01/06/2024 - 08/06/2024
Local: Centro de Línguas e Desenvolvimento de Professores (Prédio 1- 1° Andar), Av. Dom Antonio, 2100 -  Parque Universitário -  Assis/SP -  CEP 19806-900. Contato: (18) 3302-5800 / Ramal 5891 /
✚ Contato CLDP: Telefone/WhatsApp: (18) 3302-5891 / secretariacldp@gmail.com
Em Resumo:
   O audiovisual nos trouxe muitas possibilidades de entretenimento, reflexão e aprendizado. Ele é a mídia onde, dentro do que é possível com especificidades de sua linguagem, abrange todo tipo de história, é onde pode-se expressar ideias, ideais e opiniões.
   No audiovisual nos conectamos com outros povos e culturas, sendo assim, possibilitamos o acesso à produção literária e audiovisual japonesa traçando seus paralelos e influência na cultura de forma global visando à formação sociocultural, política e artística dos participantes tendo em vista que grande parte dos alunos interessados em aprender a língua e a cultura japonesa ingressam nos estudos com uma ideia já pré-concebida (estereótipos) da cultura dos costumes e do povo japonês, sendo elas em sua maioria equivocadas e até mesmo enviesadas com fins políticos, sendo disseminadas pelo próprio Japão.
   Deste modo, o audiovisual será utilizado como recurso didático para inserção de temas que tangem o desenvolvimento humano visando a ampliação do espaço de lazer e enriquecimento cultural, incentivando a formação crítica e apreciativa, principalmente, de produções literárias não ocidentais e produções cinematográficas fora de Hollywood/Ocidente.
✚ Divulgação /
✚ Divulgação /
✚ Divulgação /


Encontro 1:  Desconstruindo Estereótipos e Outras Falácias do Estranhamento

Neste encontro será discutido:
  • Um Banho de Aventura:

Sinopse: Quando Leo, o leão de estimação de Júlio, não volta da lavanderia, o menino começa uma busca pelo seu amigo de pelúcia onde através de fantasia e realidade descobrimos um mundo escondido dentro da máquina de lavar.

  • Slam Dunk: 

Sinopse: Neste anime acompanhamos Hanamichi Sakuragi, um colegial que entra para o time de basquete para se exibir para uma garota, no entanto, sua vida começa a mudar quando ele se apaixona pelo esporte.

  • Shaman King:

Sinopse: Yoh Asakura treina para desenvolver suas habilidades a fim de ganhar o Torneio Xamã e se tornar o Rei Xamã, para ter uma vida despreocupada.


Nossa proposta é discutir com os participantes a imagem que se constrói do Japão partindo do pressuposto de que eles são estudantes da língua e cultura japonesa, a fim de desenvolver o senso crítico de análise de produtos culturais, a partir da noção de alteridade, pois assim como o Brasil não é só futebol e samba, o Japão não é apenas mangá e anime, à essa ideia chamamos de estereótipos, sendo assim, a título de conhecimento a palavra “estereótipo” vem do grego stereos e typos ou seja “impressão sólida” (Fortuna, p. 22). O termo foi cunhado nas trincheiras das ciências sociais por Walter Lippmann em 1922 no seu livro Opinião Pública, para descrever a simplificação que fazemos do mundo dos outros, seja para facilitar nossa compreensão, dominar ou por medo daquilo que é estranho a nós (Leonard, p.177. adap). O estereótipo surge daquilo que é estranho a nós como a etimologia da palavra estrageiro, o termo provém da palavra francesa étranger, cuja origem é étrange ou estrange usada até o século XII que por sua vez deriva latim extranĕus, estranho.


Encontro 2 e 3: O Japão e a Segunda Guerra: Para Além da Bomba Atômica. 

Nestes encontros será discutido:
  • O Túmulo dos Vagalumes:
Sinopse: Os irmãos Setsuko e Seita vivem no Japão durante a Segunda Guerra Mundial, morando entre a casa de parentes e um abrigo na floresta, vemos os impactos do conflito na vida deles e no Japão. 

Doze de julho de quarenta e cinco, a cidade de Utsunomiya, no Japão, foi vítima de um ataque aéreo, dizimando cerca de metade da cidade. Nesse mesmo local e durante toda a Segunda Grande Guerra a Miyazaki Airplane, gerida por Katsuji Miyazaki, fornecia lemes para os míticos caças Mitsubishi A6M Zero, utilizados pela Marinha Imperial Japonesa. Neste mesmo ano em Kobe, o escritor Akiyuki Nosaka vê seu pai morrer durante um bombardeio, uma irmã de uma doença que não se sabe qual e a outra de desnutrição. Essas memórias somadas ao desenvolvimento do capitalismo tardio no japão pós-segunda guerra fazem o autor escrever o conto Hotaru no Haka que a posteriore se torna o filme O Túmulo dos Vagalumes de Isao Takahata.  Partindo deste contexto, trabalharemos com os alunos a segunda guerra mundial com o viés decolonial (Curiel, 2020), de forma introdutória, não pretendemos esgotar o assunto, mas sim proporcionar uma visão crítica sobre o tema.


Encontro 4 e 5: Contrastes Entre o Campo e a Cidade: Lembranças, amadurecimento e a angústia da vida adulta

Neste encontro será exibido:
  • Memórias de Ontem
Sinopse: Taeko é uma mulher dedicada ao trabalho.  Ela sai de Tóquio pela primeira vez e viaja para Yamagata durante a colheita anual de açafrão para visitar a família da irmã. Ao longo dessa viagem, Taeko  começa a questionar se sua vida é realmente o que desejava quando jovem.

Memórias de Ontem é um filme de animação japonesa de 1991 escrito e dirigido por Isao Takahata, baseado no mangá de 1982 do mesmo nome por Hotaru Okamoto e Yuko Tone. Onde temos um embate entre a infância e a maturidade, ou o campo e a cidade. A partir dessas memórias somadas ao desenvolvimento desenfreado da década de oitenta que culmina no estouro de bolhas imobiliária e financeira da década de noventa, um período de estagnação e deflação. 

Há comparativos com o Brasil.


✚ Memórias de Ontem/Divulgação /
✚ Túmulo dos Vagalumes/Divulgação/

De uma perspectiva decolonial (Curiel, 2020) serão utilizadas produções audiovisuais japonesas para ilustrar o tema tratado na oficina a fim de ilustrar com maior precisão a desmistificação cultural, como exemplo contrastando as formas de se vestir, a própria língua, as comidas, habitações e assim por diante. O tema será abordado através de cinco encontros presenciais e atividades práticas assíncronas, trabalhando uma abordagem comunicativa com atividades individuais, apresentações orais e diálogos, além da análise fílmica e textos orais e escritos.  

Dentro dessa oficina os participantes serão estimulados a aprender sobre:    

  • Conceitos da Cultura Japonesa;

Através do acesso ao conhecimento da linguagem audiovisual apresentaremos conceitos da cultura nipônica através de algumas produções audiovisuais a fim de desmistificar o olhar do estrangeiro para o Japão. Constatando nos elementos culturais aquilo que identificamos como estereótipos, para eliminar quaisquer tipo de choque cultural naqueles que estudam ou têm algum tipo de interesse na língua japonesa. 

  • Concepções e desconstrução de estereótipos através da compreensão plena do termo alteridade;

Além de exercitar e desenvolver o uso e a audição da língua japonesa que estão aprendendo, queremos que os participantes tenham compreensão plena do termo ALTERIDADE, além de uma visão crítica daquilo que consomem tanto do ocidente quanto do Japão. 

  • Exercitar e desenvolver o uso e a audição na língua japonesa (Listening);

A aprendizagem de uma língua estrangeira não se dá apenas pela aquisição de seus signos, mas também na interação com o uso em contextos culturais, expressões do cotidiano da quelo que é retratado.  

 Desenvolver olhar crítico diante de produções culturais.

Produtos culturais são soft Power (Nye, 2004), um aparelho de dominação. No percurso desta oficina os participantes serão estimulados a pensar criticamente, a partir do cinema, esses produtos culturais, pois a globalização é um problema que intensifica as desigualdades sociais na medida em que fortalece as relações capitalistas entre mandatários e receptores no processo globalizador e, utilizando as palavras de Zygmunt Bauman, é neste contexto onde estereótipos surgem para facilitar o processo colonizador moderno e ou dominador, por isso a alteridade encaixa-se nesse momento de coletividade, entendendo esses mecanismo atuaram de forma crítica na sociedade, pois alteridade aquilo que é do outro, do que é distinto a sua própria cultura. Constitui-se através de relações de contraste, distinção, diferença.


Nesta oficina, a avaliação realizada será formativa e de forma contínua, através de discussões sobre as obras apresentadas, construída a partir da análise de:

  • Participação, é imprescindível a participação em TODOS os encontros;

  • Presença, é imprescindível a presença em TODOS os encontros;

  • Produção textual, os participantes irão elaborar textos argumentativos de forma crítica.


Então fique ligado, além da minha oficina também haverá outras duas:

  • Explorando os Estereótipos nos Animes e na Moda Nipônica

  • O uso de Animes e Mangás no Processo de Ensino-Aprendizagem de Japonês


Título da oficina:  Cinema e Cultura:  Aspectos Socioculturais do Cinema Japonês /
✚ Instrutores: Chuck e Moisés dos Santos Barbosa
Inscrições: 26/04 a 05/05/2024 ou até se encerrarem as vagas /
Período aulas: Matutino /
Modalidade: Presencial /
Carga horária: 10 horas /
Valor: Gratuito /
Vagas: 20 (vinte) /
Dias das aulas: 11/05/2024 - 18/05/2024 - 25/05/2024 - 01/06/2024 - 08/06/2024
Local: Centro de Línguas e Desenvolvimento de Professores (Prédio 1- 1° Andar), Av. Dom Antonio, 2100 -  Parque Universitário -  Assis/SP -  CEP 19806-900. Contato: (18) 3302-5800 / Ramal 5891 /

Inscrição: https://bit.ly/cinescrito-OficinaCLDP /

✚ Contato CLDP: Telefone/WhatsApp: (18) 3302-5891 / secretariacldp@gmail.com

Referências: 
• A HORA DO SHOW. Spike Lee. 40 Acres and a Mule Filmworks. Estados Unidos:
New Line Cinema, 2000. DVD. 135 min.
• ATLANTA. Donald Glover. 20th Television: Atlanta, 2016. Temporada 2, episódio 10. Streaming. 23-35 min.
• CURIEL, Ochy. Construindo metodologias feministas a partir do feminismo decolonial. In.: HOLLANDA, Heloísa Buarque de. (Org.). Pensamento feminista hoje: perspectivas decoloniais. Rio de Janeiro: Bazar do tempo, 2020. p. 121-138.
• DRAGON BALL. Minoru Okazaki. Bird Studio. Japão: Toei Animation, 1986. Streaming. 25min.
• INDIANA JONES e o Templo da Perdição. Steven Spielberg. Lucasfilm. Estados Unidos: Paramount Pictures, 1984. DVD. 95 min.
• INOUE, Takehiko. Slam Dunk, Ed. Conrad, São Paulo. 2006, 31 vol.
• LEONARD, Mlodinow. Subliminar: Como o Inconsciente Influencia Nossas Vidas. Zahar, 2013. p. 177
• MARLENE, Fortuna. A Performance da Oralidade Teatral. Annablume, 2000.
• MEMÓRIAS DE ONTEM. Direção: Isao Takahata. Produção: Toshio Suzuki. Japão: Studio Ghibli, 1991. DVD.
• MENTIMETER. Disponível em: <https://www.mentimeter.com/pt-BR
• SAID, Edward W. Orientalismo: O Oriente como Invenção do Ocidente. São Paulo: Companhia das Letras, 2007.
• NYE, Joseph. Soft Power: The Means to Success in World Politics. New York: Public Affairs, 2004.
• SHAMAN KING. Direção: Joji Furuta. Bridge Inc. Japão: Netflix, 2021. Streaming. 25min.
• SLAM DUNK. Direção: Nobutaka Nishizawa. Toei Animation. Japão: Toei Animation America, 1993. Streaming. 25min.
• TAKEI, Hiroyuki. Shaman King. Editora JBC: São Paulo, 2003, 64 vol.
• TÚMULO DOS VAGALUMES. Direção: Isao Takahata. Produção: Toshio Suzuki. Japão: Studio Ghibli, 1988. Stream, 89 min.
• UEDA, Nancy Naomi e MORALES, Leiko Matsubara. A presença da mídia na socialização contemporânea dos jovens: o caso do anime como convite ao estudo da língua japonesa. Estudos Japoneses, n. 26, p. 75-96, 2006 <https://biblio.fflch.usp.br/Morales_LM_28_2783735_APresencaDaMidiaNaSocializacaoContemporaneaDosJovens.pdf> Acesso em: 28 abr. 2024.
• UM BANHO DE AVENTURA. Direção: Bia Rosenberg. TV Cultura. Brasil: Fundação Padre Anchieta, 1989. 45min.

✚Se ficou interessado: ASSISTA MEMÓRIAS DE ONTEM

✚Se ficou interessado: ASSISTA TÚMULO DOS VAGALUMES

✚Se ficou interessado: ASSISTA SLAM DUNK

✚Se ficou interessado: ASSISTA SHAMAN KING

✚Se ficou interessado: ASSISTA ATLANTA

✚Comentários, dicas e sugestões: ENTRE EM CONTATO

✚Curtiu e quer ver a gente melhorar? ENTÃO NOS APOIE /


Licença Creative Commons
 
👇Acesse GRÁTIS por 30 dias e divirta-se!👇
     

✚ CONTEÚDO QUE VOCÊ PODE GOSTAR 👇

Uma Enxurrada de Endorfina – A Trilogia d’Os Super Patos

Emmanuelle — Sexualidade Como Arte e Prazer (Não Como Pecado) 🔞

  Sinopse: Neste texto costuro Emmanuelle , Vladimir Lenin e arte japonesa tentando discutir a sexualidade como arte e prazer, não como pecado.

Por favor, Não Fale Brasileiro Aqui - Bacurau

Escrito na Lombada da Fita - Guerreiros da Virtude